O povo de Ocú mantém viva as tradições

O tradicional matrimônio no campo, que se realiza no marco do Festival Nacional de Manito de Ocú, província de Herrera, constitui uma celebração religiosa e cultural considerada única na sua classe e na que se promove o respeito e o valor da família.

É por isso que todos os anos mais de uma dúzia de jovens casais de todo o distrito de Ocú aspira a encabeçar este casamento campestre, que constitui uma das principais atrações da atividade.

Durante o festival folclórico ressaltam os costumes e tradições das áreas rurais indígenas das terras de Ocú, quer dizer, o manito.

Este termo não é mais do que a simplificação do termo irmão, comentou o folclorista Olmedo Carrasquilla.

``Manito era o termo com o qual o camponês saudava ao irmão, o amigo, o camarada´´, adicionou também o jornalista.

União

Este ano o casal formado por Noriel Peralta e Yarelis González, nativos do corregimento de Llano Grande de Ocú, uniram suas vidas no tradicional enlace celebrado na igreja San Sebastián, presidida pelo pastor Daniel Mora.

O educador Antolín Montilla, presidente do quadragésimo terceiro Festival Nacional do Manit, disse que o casamento campestre constitui uma das mais autênticas tradições deste povoado.

“É uma lembrança de ontem, que ainda se conserva nesta comunidade de Herrera”, afirmou.

Montilla explicou que três meses antes do festival, 18 pares se escreveram para se casarem e que foi mediante um sorteio por meio da qual se escolheu a Noriel e a Yarelis.

Informou que o dia da escolha da rainha do festival é quando se efetua o sorteio de todos os pares, que querem contrair matrimônio.

Esclareceu que os pares aspirantes devem estar casados no civil, além de professar a fé católica e manter uma relação estável,``porque este é um matrimônio real e não fictício.``

Mas o folclorista Carrasquilla indicou que em seu início a união campestre era uma simulação, ainda que faça aproximadamente 30 anos que é real.

Festival

Nos últimos 43 anos o povoado de Ocú tem sido visitado por milhares de pessoas, que ano após ano são atraídos pela oferta folclórica, que oferece este evento, que em seu início foi conhecido como a festa de Santa Rosa e que depois foi dedicado ao aniversário de Cândido Aizprúa, o filho que nasceu as 3:00 da manhã, de 4 de setembro de 1958,no rancho das Flores de Ocú, completando o milhão de habitantes do país.

Carrasquilla indicou que foi por volta de 1967 um grupo de educadores se uniu para realizar esta festa, a qual denominaram Festival do Manito, em honra ao homem do campo.

Fonte: prensa.com